Zoneamento Ambiental

O zoneamento ambiental, é um instrumento jurídico que delimita geograficamente áreas com finalidade de estabelecer regimes especiais de uso e tutela, estabelece critérios e parâmetros, a partir dos quais devera ser procedida a delimitação de espaços territoriais com utilização especificamente definida.

Definindo atividades possíveis e determináveis em determinados espaços territoriais, de forma a moldá-lo para um determinado padrão de desenvolvimento.

Assim sendo tem a função de determinar objetivos a serem atingidos mediante um plano de ocupação do solo, qual tem o objetivo de impedir a ocupação desordenada dos espaços territoriais, fazendo com que os mesmos se enquadrem em um determinado padrão de racionalidade.

Definido pelo Professor José Afonso da Silva que o zoneamento constitui um procedimento urbanístico que tem por objetivo regular o uso da propriedade do solo e dos efeitos em áreas homogêneas no interesses coletivo do bem-estar da população.

São estabelecidos critérios legais e regulamentares para determinadas parcelas do solo, ou mesmo cursos d’água.

Assim sendo o zoneamento é contemporâneo ao urbanismo e o Direito Urbanístico, de fato foi com o planejamento das modernas cidades industriais que surgiu a concepção de zoneamento, para definir espaços urbanos voltados para determinados fins.

Passando o zoneamento a ser vinculado ao Plano Diretor e a Administração Pública, sendo interessante observar que a própria concepção de zoneamento como instrumento de intervenção urbana, no Direito Brasileiro, em parte foi superado, pois tanto na área urbana como rural e reconhecido o zoneamento.

Portanto sendo o zoneamento um instrumento muito importante sem o qual não se poderia sequer pensar na possibilidade de existência do próprio Direito ambiental, pois este em linhas gerais é uma forte intervenção estatal no domínio econômico, organizando a relação espaço produção, alocando recursos, interditando áreas, destinando ou interditando atividades e reprimindo condutas.

No âmbito da política urbana, os municípios tem importante tarefa de organizar planos diretores e através do plano diretor, os municípios devem planejar seu desenvolvimento e expansão urbana e fixar critérios jurídicos urbanísticos definidos para a correta ocupação do solo e do território, tanto no setor agrário como urbano, também devem fixar regiões voltadas para a atividade agrícola delimitando a utilização do solo.

O zoneamento ambiental, em que se estabelece critérios específicos e parâmetros para a utilização especificamente definida para áreas de recarga.

Em especifico o zoneamento é outro mecanismo instrumentalizado pela Política Nacional do Meio Ambiente, e assim um meio pelo qual a administração pública busca alcançar o meio ambiente ecologicamente equilibrado.

Legalmente é estabelecido uma ordem não igualitária de importância concomitante.

O Zoneamento ambiental é um processo de conhecimento do meio ambiente, pelo qual se conhece o meio ambiente a natureza e suas características.

Neste sentido o zoneamento ambiental é importante para organizar e planejar em torno do meio ambiente, de forma a otimização dos recursos ambientais financeiros.

O objetivo do zoneamento ambiental é fazer um planejamento e gestão do meio ambiente, preservando e protegendo.

Portanto sendo um processo de conhecimento do meio ambiente, nesse sentido mas especificamente ao município de Ribeirão Preto através da à lei complementar nº 1.616 de 19 de janeiro de 2.004, em qual a câmara municipal do município de Ribeirão Preto consagrou o Código Municipal do Meio Ambiente, em relação à preservação e mecanismos de proteção aos recursos hídricos especialmente o Aqüífero Guarani disciplinou que:

    • Artigo 84 – Os projetos urbanísticos de parcelamento e ocupação do solo deverão contemplar métodos para retardar e/ou infiltrar a água pluvial resultante desta urbanização, seguindo diretrizes da Secretaria de Planejamento e Gestão Ambiental.

    • Parágrafo 1º – Nas áreas correspondentes à Zona de Uso Especial, ZUE, do Zoneamento Ambiental, o objetivo maior é garantir a recarga do Aqüífero Guarani.

    • Artigo 89 – A Secretaria de Planejamento e Gestão Ambiental, tendo como referência o zoneamento ambiental, determinará as áreas de exploração potencial de minerais para emprego direto na construção civil, visando estabelecer prioridades de uso e a compatibilidade da atividade de mineração com os demais usos do solo, nas respectivas zonas.

    • Artigo 105 – A gestão dos recursos hídricos tomará por base o Zoneamento Ambiental, o Código de Meio Ambiente e a Lei de Parcelamento, Uso e Ocupação do Solo

    • Artigo 150 – Serão estabelecidas restrições de uso nos seguintes casos:

    • III – a área correspondente a ZUE – Zona de Uso Especial, descrita no Zoneamento Ambiental, aprovado pelo Plano Diretor do Município.

    • Artigo 164 – No município de Ribeirão Preto, as Áreas de Preservação Permanente ao longo de rios, córregos, nascentes, lagos e reservatórios corresponderão a faixas com as seguintes larguras mínimas:

    • Parágrafo 1º – Na ZUD-3 , estabelecida pelo Zoneamento Ambiental, as Zonas de Proteção Máxima referentes a cursos d’água e nascentes serão acrescidas de uma faixa de 30 (trinta) metros de largura, além das respectivas APP’ s mencionadas nos itens a e e.

Portanto,no tocante ao planejamento ambiental concernente ao bem ambiental à fauna (aquática e terrestre), as florestas, o uso do solo e de agrotóxicos, a instalação de indústrias, a remoção das antigas indústrias e o zoneamento ambiental das bacias hidrográficas, como das águas subterrâneas são algumas das matérias que devem ser levadas em conta na gestão das águas pelo município.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s